Presidente da Fecomércio faz defesa do Sistema S em audiência pública na Câmara dos Deputados, nessa terça-feira

09 jul 2019

O presidente da Fecomércio-RS/Sesc/Senac, Luiz Carlos Bohn, na qualidade de representante da Confederação Nacional do Comércio (CNC), participou da audiência pública da Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público, na Câmara dos Deputados, em Brasília, nessa terça-feira (9).  Em sua manifestação, Bohn apresentou aos parlamentares as ações e resultados e explicou especificidades a respeito do Sistema S no mundo do trabalho, na sociedade e na economia do país.

A audiência pública requerida pelo deputado Paulo Ramos, do Rio de Janeiro, reforça a defesa da gestão eficiente dos recursos, cuja origem é privada, financiada e administrada pelos empresários do setor terciário da economia, e os retornos dos investimentos aplicados diretamente na qualificação do mundo do trabalho, a promoção da qualidade de vida e bem-estar dos trabalhadores, entendendo a relevância para o desenvolvimento da economia.

Transparência dos recursos e ações de Sesc e Senac

Bohn destacou na Comissão de Trabalho, de Administração e de Serviços Públicos, que o Senac possui 930 títulos diferentes de cursos em ofertas em todos o Brasil, nos eixos de Gestão & Negócios, Ambiente & Saúde, Informação & Tecnologia, Turismo, Hospitalidade e Lazer, Desenvolvimento Educacional e Social, Produção Cultural & Design, Produção Alimentícia, além de Infraestrutura, Segurança, Controle e Processos Industriais e Recursos Naturais. “Mas tão importante quanto os números é a qualidade com que está por trás do trabalho que fazemos no Senac”, pontuou o dirigente.

Demonstrando o valor adicionado que as atividades do Senac retrataram em todo o Brasil apenas em 2018, o presidente da Fecomércio-RS, que também é vice-presidente da CNC e presidente dos Conselhos Regionais de Sesc e Senac no Rio Grande do Sul, apresentou números expressivos, como os 2,18 milhões de atendimentos, dos quais quase 1,3 milhão foram relativos a matrículas em educação profissional. Dessas matrículas, Bohn ainda destacou que 358 mil foram gratuitas do Programa Senac de Gratuidade, que consumiram investimentos da ordem de R$ 1,79 bilhão.

Com relação ao Sesc, o vice-presidente da CNC, enfatizou que as atividades laborais ocupam, em média, um terço do tempo de vida das pessoas. Corroborando com esta afirmação, a circulação de recursos promovida pelas atividades do Sesc não só viabiliza a melhoria de vida de brasileiros, como também contribui para o desenvolvimento da economia, uma vez que no eixo da saúde, por exemplo, a cada R$ 1,00 investido gera um ganho de R$ 1,70 no PIB, segundo o IPEA.

Aprender e ensinar, desde a Educação Infantil, Fundamental e Ensino Médio e Educação Complementar, além de Educação de Jovens e Adultos e Sesc Ler, de acordo com Luiz Carlos Bohn, são serviços de excelência prestados nas mais de 200 escolas do Sesc de todo o Brasil. “Em 2018, a cada R$ 1,00 investido em educação gerou um ganho de R$ 1,85 no PIB”, finalizou.

Texto: Assessoria de Comunicação da Fecomércio-RS com edição de Guilherme Bicca

Fotos: Assessoria de Comunicação da Fecomércio-RS



.